Post AD

ENTREVISTA COM CHRIS ADAMS (M-AUDIO)


ENTREVISTA COM CHRIS ADAMS (M-AUDIO)















Crescido no Uruguai vivendo depois nos Estados Unidos, o Diretor de Vendas Internacional da M-Audio, Chris Adams cultiva um carinho muito especial pela América Latina, e foi, ao lado da Quanta Music, um dos reponsáveis diretos pelo crescimento da marca M-Audio no Brasil, na América Latina e hoje no mundo. Participando dos eventos mais importantes de tecnologia e música de nosso planeta Chris traz uma visão interessante neste momento de convergência e constante transformação. Na ExpoMusic 2005 encontramos Chris que nos trouxe o primeiro Microtrack a chegar no país (Obrigado Chris!) e tivemos a oportunidade de realizar esta entrevista e saber um pouco mais da M-Audio e o que vem pela frente.



09/2005


Mus: Você tem viajado pelo mundo nos últimos anos visitando os eventos mais importantes, como você posicionaria a ExpoMusic em termos de porte e importância para a M-Audio?


Chris: Extremamente importante este evento, sem dúvida, o mais importante da América Latina, este ano foi a melhor edição da feira, e para nós também, participando ao lado da Quanta em nosso terceiro ano elevamos nossa presença ao nível máximo, os endorsers brasileiros Rafael "Angra" Bittencourt mostrando a Black Box e nosso velho amigo Thiago Pinheiro tocando o Trigger Finger e Pro Keys 88 criaram performances inacreditáveis.


Mus: Como a M-Audio vê a pirataria de softwares e que medidas tem recomendado a seus desenvolvedores?


Chris: Bem, a pirataria é muito grande infelizmente em nossa querida América Latina, graças a Deus o Pro Tools M-Powered precisa de nossos equipamentos e placas para rodar sendo esta nossa proteção, alguns de nossos outros programas são mais difíceis de violar, tentamos fazer o que podemos para evitar a pirataria, acredito que a resposta esteja num preço mais barato para os programas pois os músicos são criadores também e entendem o trabalho árduo de desenvolvimento dessas incríveis ferramentas de áudio.


Mus: Miniaturização, novas interfaces como Trigger Finger, quanto tempo vai demorar para que em TVs de todo mundo artistas sejam vistos tocando instrumentos bem diferentes dos tradicionais? Teremos 300 bandas iguais ao Kraftwerk? Qual sua visão do futuro e interação do músico com seu instrumento, o que deve mudar?


Chris: Tudo continuará mudando sempre, a tecnologia não para de evoluir e começa a ser vista primeiro com os DJs pelo mundo, uma grande ferramenta, sinto que existe espaço para os DJs latino-americanos usarem muito mais tecnologia, grandes DJs usando tecnologia vindos da América Latina devem surgir, basta ter acesso a tecnologia de ponta.


Mus: Desde sua aquisão pela Avid a M-Audio parece ter multiplicado o número de lançamentos e ao mesmo tempo muitas companhias apareceram com soluções FireWire no mercado, daqui pra frente as soluções FireWire vão dominar o mercado ou a convivência com a Interface USB continuará? Qual é prioridade de desenvolvimento para a M-Audio?


Chris: FireWire determina velocidade e portabilidade e USB a relação custo/benefício, mas o formato PCI não morreu, a Audiophile 2496 ainda é a placa mais vendida no mundo, se a tirássemos do mercado muitos músicos não poderiam contar com uma solução desse nível por este preço, então a prioridade é focar no que o mercado precisa além de focos secundários em outros grupos a seu redor.


Mus: Muitas vezes trabalhamos com alguma placa ou software e não nos damos conta de que aquilo é resultado de um estudo e desenvolvimento detalhado, quem são os criadores de placas como Audiophile 2496 ou 192, quantas pessoas estão envolvidas num projeto como esse e como ele se desenrola.


Chris: Amigo, é uma questão complicada.. idéia do produto, time de vendas, gerenciador do programa, gerente do produto, engenheiros, time de desenvolvimento de driver, elaboração, teste, etc... Tantos passos que é por isso que algumas vezes julgamos tardio o lançamento de algum produto pois buscamos a perfeição, não é um processo rápido mas no momento contamos com o maior time de desenvolvimento que já tivemos, espere pra ver lançamentos até o final do ano e começo de 2006.


Mus: A compatibilidade entre Pro Tools e as interfaces da M-Audio mudou completamente o mercado do programa Pro Tools, agora estações muito mais baratas rodarão este programa, qual impacto isso criou nas vendas do programas, das interfaces e como a M-Audio analisa esse aumento de qualidade no mercado da música?


Chris: Simples, 300.000 usuários de placas M-Audio tem a possibilidade de rodar o Pro Tools, seria tolice abdicar do sistema multipista mais premiado do mundo, nesse momento está sendo lançada a versão 7 com novas características e MIDI melhorado, um novo padrão na indústria de áudio profissional.


Mus: Black Box, Microtrack,.. parece que a M-Audio decidiu focar forte também em outro tipo de consumidor, o que podemos esperar em termos de lançamentos para 2006, alguma pista Chris?


Chris: Não é surpresa, Black Box é uma interface para guitarristas e Microtrack combina perfeitamente com nosso conceito de mobilidade, mas sim estamos lançando soluções que são desejadas por muitos, sejam músicos, profissionais de áudio ou consumidores ávidos por tecnologia, dito isto, não se surpreenda com grandes lançamentos da M-Audio surgindo a todo momento


por Musicamania


Share on Google Plus

About Wiliam Damasceno

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment

0 comentários: